Hoje, dia 17 de maio, é uma data MUITO importante para a comunidade LGBTQI+. Hoje é marcado como o Dia Internacional Contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia. Essa data foi criada com o intuito de conscientizar a população mundial sobre essa luta tão importante e necessária, visando a normalização do amor entre iguais. Afinal, não é errado amar.

Muitas pessoas de fora da comunidade sequer sabem o que significa o termo “homofobia”: esse termo consiste no ódio e/ou repulsa por homossexuais. E, hoje, é para que esse tipo de atitude seja combatido e exterminado da população mundial, é para que possamos formar uma sociedade que respeita o próximo, independe de sua orientação sexual.

Ao redor do mundo, ainda existe um grande preconceito contra os homossexuais que, infelizmente, se reflete em atos desumanos de violência extrema contra essa comunidade. O número de mortes ocasionadas por esse tipo de ódio é alarmante, somente no Brasil é registrado uma morte por homofobia a cada 23 horas. Infelizmente, o Brasil leva o posto de país que mais mata pessoas por homofobia e transfobia no mundo inteiro!*

O Dia Internacional Contra a Homofobia (International Day Against Homophobia, em inglês) é comemorado em memória à data em que o termo “homossexualismo” passou a ser desconsiderado, e a homossexualidade foi excluída da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID) da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 17 de maio de 1990. No Brasil, esta data está incluída no calendário oficial do país desde 2010, de acordo com o Decreto de 4 de junho desse ano.

A luta contra a homofobia não pode parar! Na verdade, ela deve ser sempre encorajada e divulgada socialmente, para que dia após dia mais pessoas tomem consciência deste tipo de violência e que o combate ao ódio seja cada vez mais eficaz.

 

Você sabe o significa a sigla LGBTQI+?

L – Lésbica: pessoas que se identificam como mulher e têm preferência sexual por pessoas que se identificam como mulheres;

G – Gay: pessoas que se identificam como homens e têm preferência sexual por pessoas que se identificam como homens;

B (NÃO É DE BISCOITO!!!!!!) – Bissexuais: pessoas que possuem interesse sexuais por ambos os gêneros (homens e mulheres);

T – Transexuais, Travestis e Transgêneros: pessoas que não se identificam com o gênero atribuído no nascimento, com base nos órgãos sexuais;

Q – Questionando ou queer: termo usado para designar pessoas que não se identificam com os padrões sociais e transitam entre os gêneros, sem se rotular;

I – Intersexuais: pessoas que apresentam variações em cromossomos ou órgãos genitais. Essas variações não permitem identificar a pessoa como sendo do sexo feminino ou masculino. No passado, essas pessoas eram conhecidas como hermafroditas.

Esse “+” significa todas as outras letrinhas que são agregadas à sigla, representam, por exemplo, os assexusuais (pessoas que não se sentem atraídas por nenhum gênero) e os aliados (pessoas que se consideram parceiras da comunidade).

*Dados de 2019 pelo GGB (Grupo Gay da Bahia). O levantamento do GGB é feito com base em notícias publicadas em veículos de comunicação, informações de parentes das vítimas e registros policiais.

Desde antes da pandemia, as organizações, grupos e coletivos tem se organizado para definir estratégias que apoiem a comunidade LGBTQI+, mas, nesse momento, esse trabalho se mostrou cada vez mais essencial e precisam da ajuda de todos e todas. Confira aqui as principais demandas e dados para a contribuição da causa. Lutemos juntos!

Com amor, Amora!